Como tratar as cólicas dos bebês?

Como tratar cólicas bebês

Quem nunca ouviu histórias de que o bebê da fulana chora a noite toda de cólicas ou que a filha da vizinha tem uma amiga que passa noites em claro tentando acalmar a filhinha com dores na barriga?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As famosas e assustadoras cólicas dos nenéns normalmente começam depois da segunda semana de vida, com estudos mostrando que cerca de 80% dos bebês terão algum grau de desconforto abdominal nos primeiros três meses de vida. Diferentemente desses dados, as “dicas das vovós” para driblar a dor, como os chás, não possuem fundamento científico.

Segundo a Dra. Flavia Oliveira, pediatra, qualquer alimento consumido em excesso pela mamãe que está amamentando é uma ameaça à comodidade da criança, com destaque para a cafeína e os derivados do leite. “Mas há uma ressalva, pois a ingestão de cálcio é muito importante para a mãe que está amamentando. O ideal são três porções de leite e derivados por dia, ou seja, a mãe deve ficar atenta em não exagerar”, salienta.

A médica explica que a formação da flora intestinal tem grande impacto no processo de cólica no lactente. Isto porque o bebê não possui flora intestinal logo que nasce, já que ela vai se formando ao longo dos primeiros meses de vida através de lactobacilos presentes no leite materno. “Porém, alguns bebês apresentam uma evolução mais lenta, o que levaria ao desconforto abdominal”, ressalta a pediatra. Atualmente, o único tratamento que possui resultados mais efetivos é a reposição via oral desses lactobacilos, com a finalidade de acelerar o processo de formação da flora intestinal do bebê.

Por isso, quando a criança com menos de cinco meses chora, as mamães devem tentar identificar o motivo. Há os pequeninos que choram porque a fralda está molhada ou suja, enquanto outros estão com gases. Existem os bebês que choram horas seguidas por causa das cólicas causadas pela comida da mãe. E para cada um desses casos existe uma maneira de alívio. Vale lembrar que consultar o pediatra é sempre a melhor opção, mas você pode recorrer a algumas alternativas no momento.

 

Alimentação da mulher que amamenta 

As mães que amamentam os seus filhos com leite materno devem sempre se lembrar de que os alimentos dela são os dos dois. Por isso, deve começar eliminando do cardápio tudo aquilo que causa gases nela. Gabriela Pires, nutricionista, lista alguns itens que os especialistas acreditam serem grandes causadores de cólicas nos bebês. “Podemos citar o feijão, a couve-flor, o repolho, a cebola, pimenta-do-reino e derivados do leite”.

Exatamente por causa disto que as mamães devem pedir auxílio aos especialistas, já que elas precisam se alimentar muito bem, mas nem sempre sabem o que e o porquê. Aprender a substituir um alimento por outro equivalente é uma saída e tanto para a saúde dela e, consequentemente, do bebê. “Isso vale para as mulheres que por algum motivo não possuem leite e precisam recorrer às fórmulas recomendadas pelo pediatra. Só o médico conseguirá indicar o tipo mais adequado”, indica a nutricionista.

 

Meu bebê se contorce de dor! 

Muitos papais e mamães se queixam desse tipo de cólica na criança, com choros considerados “de sofrimento” e que chegam a acontecer até enquanto estão mamando. No geral, esta cólica é causada pelos gases.

Para evitar isso, a cada mamada a criança deve arrotar, evitando que o ar seja engolido. Isso também vale para a posição que o bebê deve mamar, com a cabeça levantada (impedindo que o ar entre desnecessariamente). Os pais devem ficar atentos ao bico da mamadeira, se for o caso, pois buraquinhos maiores tendem a causar mais cólicas nos nenéns.

As gotinhas de antigases, quando receitadas pelo pediatra, são bem-vindas, pois aliviam essa dor tão terrível para os pequerruchos. Aquelas receitas das vovós, como chá de erva doce ou esquentar a barriguinha, são alternativas que em alguns casos funcionam, então não há motivos para não tentar. Massagear o abdómen do bebê ou fazer movimentos de bicicleta com as perninhas deles ajudam a estimular a eliminação de gases e fezes, o que também auxilia bastante nessas horas. E, claro, coração de mãe não se engana: se você perceber que o choro passou dos limites ou a dor não cessa, procure um médico imediatamente.

 

 

 

Dra. Flavia Oliveira Pediatra NeonatologistaDra. Flavia de Oliveira – Pediatra e Neonatologista

Tel.: (11) 3262-5564

Site: medprimus.com.br

Gabriela Pires – Nutricionista

Tel.: (11) 4007-1192

E-mail: gpires@gmail.com

Créditos imagem: tesco-baby.com

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here